Curso

Teoria, Linguagem e Crítica – 58a. Edição – Rio de Janeiro

postado em by Pablo Villaça em cinemaemcena, Curso | 1 comente

A primeira edição do Teoria, Linguagem e Crítica em 2016 não poderia ter sido melhor: revi alunos que se tornaram amigos, amigos que se tornaram alunos, ganhei presentes (sempre é bom, né?) e passei uma semana em uma de minhas cidades brasileiras favoritas. Preciso dizer mais?

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,55 (quinquagésima-sétima); 4,48 (quinquagésima-sexta); 4,38 (quinquagésima-quinta); 4,40 (quinquagésima-quarta);  4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,98 
Conteúdo: 4,95
Didática: 4,95
Estrutura do curso: 4,7

Média geral: 4,64

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,87.

Para concluir, a foto tradicional de formatura. Em função do grande número de alunos, tive que dividir a turma em dois grupos para as fotos:

002s

006s

A Arte do Filme – 18a. Edição – Aracaju

postado em by Pablo Villaça em Curso | Comente  

Este foi o segundo curso que dei em Aracaju e, como havia acontecido na primeira vez, me senti completamente em casa: a turma foi carinhosa, a cidade permanece bela (foi minha terceira visita; uma das viagens foi em férias) e ainda pude matar a saudade do “A Arte do Filme”, que não ministrava desde junho. Foi uma semana muito, muito agradável que “abriu os trabalhos” com o curso em 2016 de maneira promissora.

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,67 (Décima-sétima); 4,64 (Décima-sexta); 4,66 (Décima-quinta); 4,55 (Décima-quarta); 4,59 (Décima-terceira); 4,35 (Décima-segunda);  4,76 (Décima-primeira); 4,22 (Décima); 4,42 (Nona); 4,64 (Oitava);  4,66 (Sétima); 4,49 (Sexta); 4,53 (Quinta); 4,42 (Quarta); 4,41 (Terceira); 4,38 (Segunda); 4,54 (Primeira).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,87
Conteúdo: 4,92
Didática: 4,96
Estrutura do curso: 4,83

Média geral: 4,64.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,9 (empatado com a edição anterior como recordista).

Para concluir, a foto tradicional de formatura:

106s

Teoria, Linguagem e Crítica – 57a. Edição – Brasília

postado em by Pablo Villaça em Curso | 5 comentários

A turma em Brasília foi a maior nestes seis anos de curso: pela primeira vez, tive uma turma que ultrapassou 100 alunos. Sim, cem.

E que turma carinhosa: além dos presentes e mimos, todos os dias, nos intervalos e depois das aulas, vinham bater papo, falar do livro, do Cinema em Cena e de outros assuntos variados. Ganhei torta trufada, ganhei livro, ganhei bombom, ganhei memorabilia de O Poderoso Chefão e… bom, ganhei uma semana agradabilíssima. A última edição do ano não poderia ter sido melhor. Os cursos renovam minha energia e a turma de Brasília fez com que o reservatório ficasse cheio até a tampa.

Tenho um amor danado por meus alunos. Pode parecer estranho dizer isso, mas é verdade.

Mal posso esperar para conhecer os de 2016.

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,48 (quinquagésima-sexta); 4,38 (quinquagésima-quinta); 4,40 (quinquagésima-quarta);  4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,66 
Conteúdo: 4,83
Didática: 4,92
Estrutura do curso: 4,81

Média geral: 4,55

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,85.

Para concluir, a foto tradicional de formatura. Em função do grande número de alunos, tive que dividir a turma em dois grupos para as fotos:

 029s    033s

Teoria, Linguagem e Crítica – 56a. Edição – Curitiba

postado em by Pablo Villaça em cinemaemcena, Curso, Sem categoria | 2 comentários

Logo no primeiro dia de aula, ganhei vinho e bombons. E a coisa só melhorou a partir daí.

Então, como podem imaginar, a semana com a turma em Curitiba foi excepcional: não apenas eram pessoas calorosas (e, sim, sei que esta não é a fama do curitibano, mas é o que aconteceu comigo) e divertidas, mas também extremamente participativas. Insights instigantes foram oferecidos pelos alunos, correções foram feitas sem o menor pudor (quando comentei “O Superman me incomoda por ser indestrutível. Quem pode vencê-lo?”, recebi imediatamente várias respostas apontando meu erro) e, de quebra, vivenciei algumas surpresas agradáveis nesta cidade que acho tão maravilhosa.

(Aliás, foi uma viagem tão produtiva que acabei publicando críticas todos os dias – e atribuirei parte da febre produtiva à turma.)

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,38 (quinquagésima-quinta); 4,40 (quinquagésima-quarta);  4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,67 
Conteúdo: 4,80
Didática: 4,85
Estrutura do curso: 4,61

Média geral: 4,48

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,75.

Para concluir, a foto tradicional de formatura:

 002

Teoria, Linguagem e Crítica – 55a. Edição – Belo Horizonte

postado em by Pablo Villaça em Curso | Comente  

Esta edição do Teoria, Linguagem e Crítica foi especial para mim por vários motivos: foi a primeira vez que fiz uma edição extra do curso (a que realizei em junho lotou tão rápido que decidi abrir esta turma de última hora); foi a primeira vez em que fiz um curso em um mês de férias em BH; foi a maior turma que já tive (75 alunos) e… bom… foi a primeira vez em que dei aula para meu filho, já que Luca assistiu às aulas.

Além disso, foi uma turma incrivelmente carinhosa: ganhei presentes, abraços apertados, bilhetes repletos de ternura e, principalmente, doce de leite. Foi também uma turma divertidíssima que comprovou a velha expressão de que Belo Horizonte é um ovo: no primeiro dia, tantos alunos reconheceram uns aos outros (“Já estudamos juntos!”, “Já trabalhamos juntos!”, “Somos vizinhos!”) que acabei acreditando estar em um episódio de LOST. Por outro lado, o fato de a turma ser tão grande acabou comprometendo a avaliação da sala em que ministrei as aulas, o que é uma pena.

Ainda assim, foi uma semana linda. E em tempos de tanto ódio, eu precisava disso.

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,40 (quinquagésima-quarta);  4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,34 
Conteúdo: 4,69
Didática: 4,91
Estrutura do curso: 4,60

Média geral: 4,38

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,73.

Para concluir, a foto tradicional de formatura. Ou melhor… fotos, já que a turma era tão grande que tive que dividi-la em duas:

174

177

A Arte do Filme – 17a. Edição – São Paulo

postado em by Pablo Villaça em Curso | 1 comente

Há quase um ano eu não ministrava o curso “A Arte do Filme: Forma e Estilo Cinematográficos”, já que desde a edição ocorrida em agosto (em Porto Alegre) lancei o curso sobre O Poderoso Chefão e desaposentei o Teoria, Linguagem e Crítica.

Eu estava com saudade e nem havia me dado conta – e o bom humor da turma de São Paulo ajudou bastante. Normalmente, brinco muito nas aulas, mas acho que nesta edição devo ter rido mais do que os alunos, que estavam inspiradíssimos – até mesmo nas cortadas (em tom de brincadeira!) que davam aqui e ali. Este, vale apontar, é um dos maiores atrativos da sala de aula: a dinâmica que se estabelece com os alunos, a troca de informações, diálogos e brincadeiras. Adorei.

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,64 (Décima-sexta); 4,66 (Décima-quinta); 4,55 (Décima-quarta); 4,59 (Décima-terceira); 4,35 (Décima-segunda);  4,76 (Décima-primeira); 4,22 (Décima); 4,42 (Nona); 4,64 (Oitava);  4,66 (Sétima); 4,49 (Sexta); 4,53 (Quinta); 4,42 (Quarta); 4,41 (Terceira); 4,38 (Segunda); 4,54 (Primeira).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,98
Conteúdo: 4,93
Didática: 4,98
Estrutura do curso: 4,79

Média geral: 4,67.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,9 (a melhor até hoje).

Para concluir, a foto tradicional de formatura. (No entanto, como por distração levei a lente de 55mm em vez de uma grande angular, tive que dividir a turma em segmentos.)

001

002

004

005

Teoria, Linguagem e Crítica – 54a. Edição – Belo Horizonte

postado em by Pablo Villaça em Curso | 1 comente

É sempre curioso ministrar um curso em BH. Quando estou em minha cidade natal, percebo claramente que, entre outras coisas, meu sotaque se torna mais intenso, num fenômeno que não sei bem explicar. Além disso, alguns dos casos que conto em sala podem ganhar uma dimensão mais “pessoal”: ao falar sobre determinada experiência, por exemplo, posso explicar que deveria “ter ido ao Humberto Mauro em vez de ao Usina”, o que pode parecer uma bobagem, mas me agrada. Além disso, há o conforto de poder dar aula (algo que amo) sem precisar ficar longe das crianças por uma semana (o que sempre me tortura).

Em outras palavras: eu me sinto… em casa. Há outros atrativos ao ministrar os cursos em outras cidades, claro, mas o de Belo Horizonte é poder constatar como sou mais mineiro do que me lembrava.

Foi divertido, também, perceber como vários dos alunos desta edição estavam finalmente completando a “trilogia”: já haviam feito meus outros dois cursos e, com este, encerravam o ciclo. Preciso pensar em um brinde para estes alunos. Broches? Bonés? Canecas? Nude selfies? Vamos ver.

Ah, sim: com os 65 alunos que fizeram esta edição, já são 2.017 alunos apenas no Teoria, Linguagem e Crítica!

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,32 (tsc. E eu gosto deste espaço. Damn.)
Conteúdo: 4,82
Didática: 4,95
Estrutura do curso: 4,52

Média geral: 4,40.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,76.

Para concluir, a foto tradicional de formatura:

002

Teoria, Linguagem e Crítica – 53a. Edição – Rio de Janeiro

postado em by Pablo Villaça em Curso | 6 comentários

Esta foi, se não me engano, a maior turma que já tive no Rio de Janeiro – e se isto rendeu momentos interessantes de debates durante as aulas, já que muitos queriam participar e apresentar suas teorias sobre os filmes analisados, por outro a sala ficou cheia demais e acabou provocando certo incômodo que foi levantado pelos alunos nas avaliações de final de curso. Ainda assim, isto não impediu que a interação fosse constante e divertida – como no momento em que rebatizaram O Segredo de Brokeback Mountain como O Segredo do Boy-Magia e, claro, a quase clarividência de um aluno que, ao longo da semana, fez várias perguntas que – segundo a própria estrutura do curso – eu me encontrava prestes a esclarecer segundos antes que eu o fizesse (o que acabou virando uma piada recorrente).

Além disso, como sempre acontece, a própria turma me surpreendeu com interpretações interessantes sobre as cenas analisadas, fazendo com que o curso trouxesse novidades também para o professor (que é o que me mantém cada vez mais interessado nessas aulas).

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,45 (preciso de uma sala maior no Rio)
Conteúdo: 4,76
Didática: 4,96
Estrutura do curso: 4,62

Média geral: 4,45.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,78.

Para concluir, a foto tradicional de formatura (como a turma era muito grande, tive que dividi-la em dois grupos para conseguir registrar todos):

003
006

Decifrando o Padrinho – 4a. Edição – Porto Alegre

postado em by Pablo Villaça em Curso | 2 comentários

Quando fui a Porto Alegre com o curso pela primeira vez, várias pessoas me alertaram para a “frieza” dos sulistas. Era 2009 e visitei a cidade com o “Teoria, Linguagem e Crítica” e lembro-me claramente de iniciar a primeira aula temeroso.

Aquela não só se revelou uma das turmas mais divertidas entre todas as que já tive, mas também uma das mais carinhosas. E mais: cinco anos depois, boa parte da turma ainda mantém encontros regulares para ir ao cinema e discutir filmes e até mesmo um casamento resultou daquela edição. Desde então, voltei à capital do Rio Grande do Sul mais quatro ou cinco vezes e a percepção se manteve. Aliás, hoje posso dizer que tenho vários amigos ali.

Esta semana em particular foi bastante agradável, já que, além da turma adorável, eu estava discutindo O Poderoso Chefão – algo que seria uma delícia mesmo que eu estivesse falando para uma plateia de indivíduos que pregam a volta da ditadura milit…

… hum, tudo tem limite.

De todo modo, ganhei vários presentes (o que é sempre bom), ri bastante e matei as saudades daqueles gaúchos formidáveis – e só não cito nomes específicos porque seria injusto com os demais.

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores foram: 4,62 (Terceira); 4,48 (Segunda); 4,81 (Primeira).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 4,28
Conteúdo: 4,97
Didática: 4,97
Estrutura do curso: 4,78

Média geral: 4,75.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,91.

Para concluir, a foto tradicional de formatura:

002

Teoria, Linguagem e Crítica – 52a. Edição – Recife

postado em by Pablo Villaça em Curso | 1 comente

Há muito tempo eu não fazia um curso com tão poucos “repetentes” em sala – obra da Carol Chaves, da Galeria Janete Costa (no parque Dona Lindu), que divulgou o evento na cidade, atraindo, inclusive, várias pessoas que nunca haviam ouvido falar de mim (e que espero que tenham se tornado leitoras depois). Aliás, o espaço na galeria foi o mais diferente até hoje, em nada lembrando uma sala de aula convencional – o que, somado ao bom humor dos alunos (o Nordeste nunca me desaponta), gerou uma semana muito, muito agradável. E eu estava precisando disso. Para completar, como fazia muito tempo que eu não ministrava esse curso, pude matar um pouco das saudades, embora, enferrujado, tenha tido um pouco de dificuldades para administrar o tempo das aulas em função do tamanho da turma (53 alunos que iam dos 16 aos 60 anos).

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,79
Conteúdo: 4,67
Didática: 4,79
Estrutura do curso: 4,46

Média geral: 4,43.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,64.

Para concluir, a foto tradicional de formatura:

002

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 ... 15 16   Próximo »