Monthly Archives: fevereiro 2014

Monthly Archives: fevereiro 2014

RioFilme e o Cinema Pinte-com-Números

postado em by Pablo Villaça 20 comentários

Cinema é Arte coletiva. Sempre digo isso aos alunos dos meus cursos e é também uma filosofia que empreguei nos dois filmes que dirigi. Em ambos, os créditos finais trazem os dizeres “Um filme de…” seguidos pelos nomes de todos os integrantes da equipe. Eu posso ter escrito e dirigido ambos, mas eles jamais teriam saído do papel sem a colaboração preciosa de todos aqueles profissionais talentosos. Neste sentido, o Cinema é radicalmente diferente da Literatura, por exemplo, que em …

Críticas dos Indicados ao Oscar 2014

postado em by Pablo Villaça 5 comentários

Para facilitar, seguem abaixo os links para as 17 críticas que escrevi dos indicados ao Oscar 2014 (não, não escrevi sobre todos): Ela 12 Anos de Escravidão O Lobo de Wall Street Trapaça Clube de Compra Dallas Gravidade Nebraska Blue Jasmine Frozen Os Suspeitos O Grande Gatsby Alabama Monroe A Grande Beleza A Imagem que Falta O Hobbit 2 Homem de Ferro 3 Antes da Meia-Noite

Por que o Oscar parece amar filmes medianos?

postado em by Pablo Villaça 90 comentários

Todos os anos, ao escrever sobre o Oscar e sobre as disputas envolvidas, busco lembrar os leitores de que se trata de uma eleição – e que, como tal, é influenciada pelo orçamento disponível para as campanhas feitas pelos estúdios, que investem pesado em seus candidatos promovendo festas especiais com exibição dos longas e presença do diretor e do elenco. Quando Tom Hooper venceu por seu trabalho pavoroso em O Discurso do Rei, apontei que ele, um britânico, havia se mudado para Los …

Telas partidas

postado em by Pablo Villaça 21 comentários

A primeira vez que notei Philip Seymour Hoffman, ele vivia um estudante riquinho cuja arrogância era evidenciada quase por subtexto: na superfície, ele se mostrava simpático ao seu humilde colega de turma, dizendo que este “precisava” vir esquiar ao seu lado, mas seus modos, seu sorriso e seu olhar exibiam um sadismo sutil enquanto se divertia por saber que o pobre rapaz não tinha como acompanhá-lo. Era 1992 e o filme em questão se chamava Perfume de Mulher. Sim, Al Pacino …