Forma e Estilo – 2a. Edição – Belo Horizonte

Acho que nunca fui tão mineiro quanto nesta semana. Por algum motivo, simplesmente por estar falando para meus conterrâneos, permiti que todo meu sotaque extravasasse sem qualquer dó – a ponto de, em certos momentos, pensar: “Uou. Estou beirando a caipirice”. E curti isso. Soltei “sô”, “uai”, “trem”, “nó”, “arreda”, “demais da conta” e toda expressão mineira que podem imaginar. Sem nenhum aluno rir ou estranhar.

A não ser, claro, quando falei “pinóia”. Aí já era coisa de idoso demais.

Foi um bom curso. Para meu espanto, cerca de metade da turma não havia cursado o “Teoria, Linguagem e Crítica”, o que acabou funcionando como um teste para verificar se o “Forma e Estilo” realmente conseguiria se estabelecer independentemente das outras aulas – e, julgando pela avaliação dos alunos, conseguiu. Por outro lado, embora o teatro Izabella Hendrix seja um belo espaço, não é adequado para o curso, já que me separou demais dos alunos ao me obrigar a falar de cima do palco (onde o notebook tinha que ficar). Este distanciamento prejudicou a intimidade que gosto de criar durante as aulas e, nos primeiros dias, intimidou a turma, que mal fez perguntas. Além disso, alguns incidentes isolados envolvendo o ar condicionado e um rato (sim) levaram a avaliação do espaço lá para baixo.

E isso me chateou. Se considerarmos apenas os quesitos relativos ao curso em si, a média desta segunda edição foi ligeiramente superior à da primeira, indicando uma evolução, mas quando levamos o espaço em consideração, ela acaba caindo bastante, o que é frustrante, já que não me diz respeito diretamente. Vivendo e aprendendo.

Como já fazia antes, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,54 (Primeira).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,51
Conteúdo: 4,68
Didática: 4,78
Estrutura do curso: 4,55

Média geral: 4,38

Se não fosse o auditório, a média seria 4,67. Droga.

Para concluir, a foto tradicional de formatura (clique para ampliar).

postado em by Pablo Villaça
Fatal error: Uncaught Exception: 12: REST API is deprecated for versions v2.1 and higher (12) thrown in D:\Blogs\diariodebordo\wp-content\plugins\seo-facebook-comments\facebook\base_facebook.php on line 1273