O bastante

Assistindo ao fraco documentário Tales from the Script, que entrevista dúzias de roteiristas enquanto tenta atrapalhadamente retratar as dificuldades enfrentadas por estes profissionais, me surpreendi com um imenso nó na garganta ao ouvir o roteirista/diretor Bruce Joel Rubin descrevendo sua experiência com o drama Minha Vida (do qual gosto muito, mas que foi muito mal recebido por público e crítica na época de seu lançamento). Claramente emocionado, o cineasta diz (tradução minha):

“O estúdio me mandou um pacote com todas as críticas e comecei a lê-las e todas eram socos abaixo da linha da cintura. E eu desabei. Desabei por meses depois que aquele filme foi lançado. Acreditei que aquele era o maior fracasso da minha carreira. Ele não arrecadou como o estúdio queria, não alcançou os resultados que eu queria, as críticas foram péssimas… E aí, mais ou menos nove meses depois, uma mulher se aproxima de mim em uma festa e diz: ‘Meu marido morreu de câncer há um ano. E meu filho e eu nunca discutimos o assunto. Meu filho tinha 12 anos e não conseguia falar sobre isso. Agora ele tem 13 anos e eu estou com câncer e tenho seis meses de vida. Mais ou menos uma semana ou duas depois que seu filme foi lançado, meu filho e eu fomos vê-lo. Quando o filme acabou, voltamos para casa e ele estava em prantos. Ele se encolheu em meu colo e tivemos a conversa que eu precisava ter antes de deixar este mundo. E isso não teria acontecido sem o seu filme. Então… obrigada’.

Nesse momento, algo aconteceu comigo. E naquele instante eu percebi que… tinha feito o filme para ela. E isso era o bastante.”

postado em by Pablo Villaça em Cinema, Variados