Roger

Meu mentor, ídolo e amigo Roger Ebert está (re)iniciando sua batalha contra o câncer. Roger foi (e é) instrumental em minha trajetória profissional. Ter me tornado seu amigo é uma de minhas maiores conquistas. Devo a ele um mundo, devo a ele o olhar que move minha paixão pelo Cinema, devo a ele oportunidades inigualáveis como operário das palavras.

Graças também ao espírito agregador de Roger, hoje tenho amigos queridos ao redor do mundo – e os conflitos entre as Coréias se tornaram pessoais por agora me preocupar com Seongyong Cho; a instabilidade no Egito me faz pensar em meu amigo Wael Khairy; um terremoto no México me leva a buscar notícias do querido Gerardo Valero e sua bela Monica; e a notícia do novo bebê de Michael Mirasol e sua adorável Claire Mirasol me faz vibrar de alegria. Tenho orgulho de ter um homem tão brilhante quanto Omer M. Mozaffar como amigo, divirto-me com o humor turco de Ali Arikan, abraço a sabedoria e a simpatia de Jim Emerson, aprendo com o mestre David Bordwell e me encanto com os ensaios de Matt Zoller Seitz. Rio com minha adorada Olivia Collette, admiro a sensibilidade poética de Grace Wang e comemoro o bilhete de Spielberg enviado ao talentoso e sensível Krishna Shenoi como se tivesse sido eu o destinatário da honra.

Estou doendo por Roger e por sua magnífica esposa Chaz, uma das mulheres mais fortes (e doces) que já conheci. Mas também por esta comunidade única que Roger criou ao seu redor e que agora vê sua figura paterna sofrendo mais uma vez.

Mas um homem como Roger – especialmente por ser amparado por uma mulher como Chaz – não se rende fácil. Não se rendeu antes e não se renderá agora. Estou certo disso.

Amado Roger, you are legion.

postado em by Pablo Villaça em Variados