Forma e Estilo – 7a. Edição – São Paulo

Eu sinceramente achei que esta edição seria um fracasso.

Não, não me refiro quanto ao número de alunos, já que as matrículas se esgotaram em questão de poucos dias, mas sim ao fato de que, às vésperas do início das aulas, São Paulo virou palco de um número crescente de manifestações – incluindo uma repressão absurda da PM. Para piorar, as manifestações sempre começavam ou terminavam em frente ao MASP, ou seja: quase diante do prédio no qual o curso sempre acontece. Temi de tudo: que o barulho das ruas atrapalhasse as aulas, que os alunos faltassem por medo de confusão ou em função do fechamento de estações de metrô e da própria Av. Paulista, que o prédio que abrigaria as aulas decidisse fechar por medo de quebradeira, etc. De fato, na sexta-feira antes do início da edição do Forma e Estilo na capital paulista, um dos responsáveis pelo auditório me ligou perguntando se talvez não seria melhor adiarmos tudo. Respondi que não, embora compartilhasse seus receios.

Eu estava errado. Os alunos não apenas compareceram às aulas (apenas um dia trouxe dois ausentes, salvo engano) como ainda participaram ativamente. Ao final, foi a primeira vez em que senti que o Forma e Estilo estava finalmente pronto, redondinho. Saí feliz não apenas por, como sempre, reencontrar velhos e queridos alunos (Bruna, Marcellus, o casal Bruno e Cíntia – que fizeram o módulo 1 em Salvador -, Tatiana (outra que veio de Salvador), entre outros), como também por poder contar com a presença de minha amiga Maria Frô e de sua filha Marina em sala de aula. Para completar, ganhei um laserdisc japonês de O Poderoso Chefão do aluno Gustavo, o que, claro, é algo incomparável.

Bom, mas como já fazia antes, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,49 (Sexta); 4,53 (Quinta); 4,42 (Quarta); 4,41 (Terceira); 4,38 (Segunda); 4,54 (Primeira).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 4,13
Conteúdo: 4,87
Didática: 4,94
Estrutura do curso: 4,72

Média geral: 4,66 – a maior até hoje.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,84.

Para concluir, a foto tradicional de formatura (clique para ampliar).
postado em by Pablo Villaça em Curso