A Rede

Hoje tive uma conversa interessante, reveladora e que, como toda boa conversa, me fez perceber certas coisas que deveriam ser óbvias. A conversa foi com Ioná (que divide comigo a honra de ter dado origem às duas criaturinhas mais fantásticas do planeta) e começou com a informação de que ela iria largar o Facebook.

“Mas por quê???”, questionei, como se ela houvesse dito que iria entregar as crianças para adoção.

E o que ela disse a seguir não só fez todo o sentido do mundo como ainda me convenceu de que eu deveria fazer o mesmo.

O fato é que passamos a pensar em termos de redes sociais. Quando leio algo interessante, antes de refletir exatamente sobre o que estava escrito, sinto o impulso da “Curtida” e do “Compartilhamento”. De certa maneira, demonstrar que li algo tornou-se tão ou mais importante que absorver aquilo.

Este, porém, é o menor dos problemas. O mais grave é notar como a rede social pode nos tornar… menos sociais. Pessoas com as quais eu mantinha relações cordiais e das quais gostava acabaram se convertendo, em minha percepção, em figuras lamentáveis em função do que expunham por aqui. Um indivíduo com sensibilidade ímpar para a música, por exemplo, revelava-se um reacionário da pior espécie – e mesmo que meu contato com ele se restringisse à esfera musical, eu me via tentado a cortar toda e qualquer ligação por ter passado a nutrir antipatia por sua figura, esquecendo que, escrotices ideológicas à parte, ele podia ser bem divertido.

Torna-se difícil ler algo como “Cansei de pessoas que só me procuram quando precisam de algo” e não sentir vontade de dar um cascudo no autor do post. Em primeiro lugar, pela necessidade de expor ao mundo, de forma enigmática e que estimule perguntas (o objetivo final), qualquer frustração. Em segundo, por vê-lo adotar uma abordagem tangencial, claramente pouco funcional e imatura para enviar um recado oblíquo a alguém. Em terceiro, por desestimular, sem perceber, a abordagem de qualquer um – pois certamente não irei procurá-lo(a) agora e correr o risco de parecer interesseiro.

Pior, porém (e – de novo – foi Ioná quem me abriu os olhos para isso), é perceber como mesmo nutrindo aversão profunda por qualquer publicação do tipo Contigo, Caras e afins, tornei-me consumidor exatamente daquilo que vendem: da futilidade, da superfície, da aparência.

Não, pior: tornei-me também fornecedor deste produto.

Ir a um show não se resume mais a curtir um espetáculo; inclui tirar fotos no camarote, de costas para o palco, e publicar no Face para apreciação alheia.

Somos não só as estrelas, mas os paparazzi de nós mesmos.

Não quero apenas descer do palco; quero deixar de ser plateia do exibicionismo alheio. Porque isto também me faz crítico, me leva a antipatizar com pessoas perfeitamente decentes que estão fazendo simplesmente o que também sou levado a fazer em função das redes sociais: expor-me como astro de meu próprio reality show.

Não me interessa conhecer sua dúvida acerca das opções de presente de Natal ao marido ou à esposa (dica: se ele(a) tem Facebook, sua necessidade de expor o preço do regalo já suplantou o desejo de fazer uma surpresa); não me interessa se você está preso num engarrafamento e não poderá chegar a tempo (dica: em vez de publicar no Facebook, ligue para as pessoas que estão te esperando); e definitivamente não me interessa ler suas indiretas a quem quer que seja.

Mas igualmente importante: não deveria te interessar que eu fizesse exatamente o mesmo – e já fiz muito.

E devo agradecer à fantástica mãe de meus filhos esta percepção que deveria ser óbvia: a de que, para ser uma criatura verdadeiramente social, devo largar as redes sociais.
———————————————
Observação: como sou um profissional de Internet, claro que não posso simplesmente abandonar os serviços de Facebook e Twitter, que são úteis como ferramenta de divulgação de meu trabalho. Assim, quem sai do Facebook é a Pessoa Física, não a Jurídica. Continuarei a linkar para meus textos, videocasts e afins em minha página profissional (que fica em https://www.facebook.com/pablovillaca01?ref=hl) e também no Twitter.

Mas se quiser bater papo, trocar ideias e jogar conversa fora, melhor me ligar ou mandar um email. Vou tentar existir mais fora da Internet.

Beijocas.

P.S.: Ninguém deve ler os exemplos que listei no texto acima como indiretas ou referências a pessoas específicas. Foram comportamentos hipotéticos inspirados em anos de facebook.

postado em by Pablo Villaça em Discussões