Teoria, Linguagem e Crítica – 54a. Edição – Belo Horizonte

É sempre curioso ministrar um curso em BH. Quando estou em minha cidade natal, percebo claramente que, entre outras coisas, meu sotaque se torna mais intenso, num fenômeno que não sei bem explicar. Além disso, alguns dos casos que conto em sala podem ganhar uma dimensão mais “pessoal”: ao falar sobre determinada experiência, por exemplo, posso explicar que deveria “ter ido ao Humberto Mauro em vez de ao Usina”, o que pode parecer uma bobagem, mas me agrada. Além disso, há o conforto de poder dar aula (algo que amo) sem precisar ficar longe das crianças por uma semana (o que sempre me tortura).

Em outras palavras: eu me sinto… em casa. Há outros atrativos ao ministrar os cursos em outras cidades, claro, mas o de Belo Horizonte é poder constatar como sou mais mineiro do que me lembrava.

Foi divertido, também, perceber como vários dos alunos desta edição estavam finalmente completando a “trilogia”: já haviam feito meus outros dois cursos e, com este, encerravam o ciclo. Preciso pensar em um brinde para estes alunos. Broches? Bonés? Canecas? Nude selfies? Vamos ver.

Ah, sim: com os 65 alunos que fizeram esta edição, já são 2.017 alunos apenas no Teoria, Linguagem e Crítica!

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,32 (tsc. E eu gosto deste espaço. Damn.)
Conteúdo: 4,82
Didática: 4,95
Estrutura do curso: 4,52

Média geral: 4,40.

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,76.

Para concluir, a foto tradicional de formatura:

002

postado em by Pablo Villaça em Curso