Teoria, Linguagem e Crítica – 55a. Edição – Belo Horizonte

Esta edição do Teoria, Linguagem e Crítica foi especial para mim por vários motivos: foi a primeira vez que fiz uma edição extra do curso (a que realizei em junho lotou tão rápido que decidi abrir esta turma de última hora); foi a primeira vez em que fiz um curso em um mês de férias em BH; foi a maior turma que já tive (75 alunos) e… bom… foi a primeira vez em que dei aula para meu filho, já que Luca assistiu às aulas.

Além disso, foi uma turma incrivelmente carinhosa: ganhei presentes, abraços apertados, bilhetes repletos de ternura e, principalmente, doce de leite. Foi também uma turma divertidíssima que comprovou a velha expressão de que Belo Horizonte é um ovo: no primeiro dia, tantos alunos reconheceram uns aos outros (“Já estudamos juntos!”, “Já trabalhamos juntos!”, “Somos vizinhos!”) que acabei acreditando estar em um episódio de LOST. Por outro lado, o fato de a turma ser tão grande acabou comprometendo a avaliação da sala em que ministrei as aulas, o que é uma pena.

Ainda assim, foi uma semana linda. E em tempos de tanto ódio, eu precisava disso.

Como de hábito, entreguei um formulário ao final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem “pontos” à experiência, que incluía os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível). As notas das edições anteriores: 4,40 (quinquagésima-quarta);  4,45 (quinquagésima-terceira);  4,43 (quinquagésima-segunda); 4,29 (quinquagésima-primeira); 4,44 (quinquagésima); 4,66 (quadragésima nona); 4,33 (quadragésima oitava); 4,48 (quadragésima sétima); 4,50 (quadragésima sexta); 4,56 (quadragésima quinta), 4,62 (quadragésima quarta), 4,51 (quadragésima terceira), 4,37 (quadragésima segunda), 4,39 (quadragésima primeira), 4,75 (quadragésima), 4,67 (Trigésima nona), 4,61 (Trigésima oitava), 4,62 (Trigésima sétima), 4,7 (Trigésima sexta), 4,53 (Trigésima quinta), 4,44 (Trigésima quarta), 4,58 (Trigésima terceira), 4,62 (Trigésima segunda), 4,54 (Trigésima primeira), 4,44 (Trigésima), 4,65 e 4,63 (Vigésima nona – Tarde e Noite), 4,49 e 4,47 (Vigésima oitava – Tarde e Noite), 4,48 (Vigésima sétima), 4,73 (Vigésima sexta), 4,51 (Vigésima quinta), 4,62 (Vigésima quarta), 4,57 (Vigésima terceira), 4,71 (Vigésima segunda), 4,64 (Vigésima primeira), 4,62 (Vigésima), 4,68 (Décima nona), 4,58 (Décima oitava), 4,20 (Décima sétima), 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima quinta), 4,57 (Décima quarta), 4,47 (Décima terceira), 4,57 (Décima segunda), 4,76 (Décima primeira), 4,22 (Décima), 4,33 (Nona), 4,45 (Oitava), 4,07 (Sétima), 4,44 (Sexta) e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5: Infra-estrutura (instalações, recursos audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos conteúdos, divisão do tempo disponível).

As médias das notas foram:
Infra-estrutura: 3,34 
Conteúdo: 4,69
Didática: 4,91
Estrutura do curso: 4,60

Média geral: 4,38

Sem considerar o auditório, levando em conta apenas o curso em si, a média seria 4,73.

Para concluir, a foto tradicional de formatura. Ou melhor… fotos, já que a turma era tão grande que tive que dividi-la em duas:

174

177

postado em by Pablo Villaça em Curso