A Importância e a Perversão do Jornalismo

Quem me acompanha há algum tempo, sabe que uma de minhas grandes preocupações (ok, quase uma obsessão) é a forma como o jornalismo brasileiro se mostra corrompido em sua essência. Sempre discuto como boa parte das pessoas parece não se lembrar de que os veículos de mídia pertencem a corporações e que, portanto, respondem aos interesses destas – o que explica por que qualquer político ligado aos interesses do mercado conseguirá passe livre para dizer e fazer o que quiser, ao passo que aqueles que representem algum tipo de ameaça ao grande capital serão invariavelmente massacrados. Isto não é exclusivo do Brasil, contudo – e o próprio Cinema já retratou esse tipo de lógica perversa em filmes que vão de Cidadão Kane a A Grande Ilusão, passando por O Monstro na Primeira Página. Aliás, o documentário Manufacturing Consent, que acompanha o fantástico Noam Chomsky, aborda estas questões de maneira abrangente – e por isto o incluirei ao fim deste post.

No entanto, há algum tempo li um artigo no “Los Angeles Review of Books” que, girando em torno dos trabalhos de Renata Adler, traz alguns pontos bastante objetivos e que, creio, podem servir como ilustração para algumas de minhas principais preocupações – mesmo que, no processo, Adler critique pesadamente os estágios finais da carreira de Pauline Kael, por quem tenho imensa admiração, mas que, de fato, exibiu um claro declínio em seus anos finais. (Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.) Para facilitar, traduzo, abaixo, algumas das passagens que julgo mais importantes e que abordam não só a má prática jornalística, mas algumas de suas causas:

“O jornalismo cumpre dois papéis importantes: nos mantém informados sobre política, economia e mudanças culturais que podem ressoar através da sociedade e também oferece um ponto de partida para discussões sobre estes temas. É por isso que o bom jornalismo é tão essencial. Mas o jornalismo existe apenas como o esforço acumulado de cada jornalista. Isto significa que a prática cotidiana do jornalismo – a forma com que cada um desenvolve seu trabalho e as circunstâncias sob as quais isto é feito – importa muito por si só.

(…)

Embora eu não esteja certo de que concordo muito que a imprensa esteja em “declínio”, embora esteja sempre sendo prejudicada por forças que podem estimular más práticas, eu certamente acredito que o mau jornalismo acaba servindo aos poderosos; se os jornalistas não contestam apropriadamente as elites econômicas, políticas e culturais, os interesses destas definirão completamente os debates e as conversas de nossa sociedade. (…) “As mesmas forças que são boas para o jornalismo e para os donos das empresas de comunicação são as forças maléficas para o jornalismo em si”; as chances de um jornalista conseguir levar uma boa vida de classe média provavelmente nunca foram tão pequenas. (…) E a pressão para desenvolver uma carreira é uma ameaça concreta que dificulta que o jornalista cumpra bem seu papel na sociedade.

(…) Pecados jornalísticos surgem em várias formas. Os mais óbvios são os fabulistas, que inventam histórias, fontes e eventos. Há os preguiçosos e ingênuos, que são facilmente manipulados por suas fontes. Há os cínicos que deixam propositalmente que suas fontes poderosas os manipulem em troca do tipo de acesso que pode levar a “grandes” carreiras. Adler é particularmente dura ao falar de repórteres que dependem de fontes oficiais “anônimas”, que deixam figuras poderosas do governo e do mercado ditarem pautas das redações apenas porque controlam os caminhos oficiais da informação.

(..) A história oficial é a mais fácil e rápida de se escrever, pois já foi mastigada (pela fonte). Esta é uma maneira através da qual fontes poderosas influenciam a cobertura jornalística: oferecendo uma história fácil para repórteres ambiciosos que querem publicam algo rapidamente.

(…) Atualmente, quase todo o jornalismo é digital; mesmo artigos publicados na mídia impressa existem online. Como os jornais tradicionalmente ofereciam um número maior de posições estáveis para jornalistas e também apoio institucional, isto deixou a indústria mais frágil de modo geral. A pressão sob a qual jornalistas sempre trabalharam – a necessidade de publicar muitos artigos e avançar na carreira – só se tornou pior. (…) Muitos jornalistas ainda recebem ofertas para trabalharem de graça, em troca de “exposição”, um conceito amorfo que apenas reforça a noção de que eles precisam produzir muitos textos rapidamente a fim de construir uma reputação que levará a algum trabalho remunerado. Isto leva a hábitos profissionais que levam os jornalistas a práticas preguiçosas: ênfase na velocidade, falta de compromisso com um artigo em particular (amanhã outro será publicado ou mesmo dali a uma hora) e a uma postura geral de que o jornalismo serve pra produzir conteúdo, não para envolver os leitores.”

Para concluir, o artigo (escrito por Guy Patrick Cunningham) discute uma tendência particular do jornalismo digital contemporâneo: artigos que se limitam a reagir a outros artigos que geraram alguma polêmica:

“Há algumas razões para que este tipo de artigo analítico “agregado” seja problemático. Em primeiro lugar, é simplesmente irresponsável apresentar alguma conclusão ou construir um argumento sem ter feito a pesquisa apropriada: um jornalista precisa reestabelecer sua autoridade em cada artigo que escreve, pois cada um deles pede que o leitor lhe empreste seu tempo e sua atenção. Mais importante, porém, é que isto limita a habilidade do jornalista de realmente explicar um problema. Um jornalista que não conhece o assunto que discute acaba escrevendo um monólogo: eles só têm informação suficiente para apresentar seu próprio juízo sobre a questão, mas não consegue construir o tipo de argumento que poderia convencer o leitor de que sua opinião é a correta.

A questão não é se o leitor deveria ou não discordar da conclusão; a questão é que o leitor não pode. As únicas opções são aceitar a conclusão do artigo ou descartá-la. (…) Esta é a sombra do jornalismo digital comercial: uma controvérsia surge nas redes sociais e as prioridades econômicas dos editores digitais leva-os a pautar trabalhos que capitalizem a onda – textos rápidos que são praticamente criados para fracassar de um ponto de vista do jornalismo tradicional. (…) Os veículos digitais frequentemente promovem um tipo de análise que beneficia as plataformas em vez dos leitores. O problema é uma conversa democrática, o tipo que o jornalismo precisa estimular, acontece entre pessoas, enquanto os veículos digitais querem principalmente apresentar uma conversa para as pessoas – um simulacro que pode ser usado como veículo para anúncios e como meio para coletar dados sobre os interesses dos leitores (para garantir que os anúncios estão bem direcionados).

(…) Isto abre espaço para um texto “analítico” que promete um argumento, mas que não precisa entregá-lo necessariamente. Isto reforça a noção perniciosa de que não há distinção entre jornalismo e mero conteúdo, o que leva a aumentar a aceitação por outro tipo de trabalho “preguiçoso” – incluindo o tipo que se limita a repetir histórias oficiais de fontes oficiais. Quando os jornalistas falham em estimular o pensamento crítico dos leitores com relação ao que leem, diminuem a habilidade dos leitores de se envolver em conversas democráticas de modo geral.

(…) Os jornalistas precisam pensar como escritores – no sentido de que devem ter ambição com relação à qualidade de seu trabalho: se pode ser melhor, tem que ser melhor. Todas as vezes. Isto não é mera questão de boa prática profissional; numa sociedade democrática, jornalistas carregam grande responsabilidade. (…) O bom jornalismo faz com que a sociedade seja mais democrática ao manter as pessoas informadas o bastante para que possam participar do espectro completo da atividade democrática. Mas isto só acontece quando os próprios jornalistas fazem questão de não se acomodar – quando combatem as pressões da carreira, a miopia de editores e as necessidades comerciais do próprio jornalismo. Conteúdo não é conversa. E, no fim das contas, é de que conversa que uma sociedade democrática precisa. É importante não se contentar com nada menos do que isso.”

Amém.

postado em by Pablo Villaça em Discussões, Série Jornalistas