Dean & Me (A Love Story)

Biografias são livros tristes por definição: se
existem, é porque o protagonista levou uma vida digna de ser eternizada
em livro, mas o fato é que invariavelmente terminam da mesma maneira
melancólica, narrando a velhice e a morte do herói ou de pessoas
queridas a ele.
 
O que me traz a "Dean & Me (A Love Story)",
livro co-escrito por Jerry Lewis e James Kaplan e que se concentra na
parceria de dez anos entre Lewis e Dean Martin, que, entre 1946 e 1956,
se tornaram as figuras mais bem-sucedidas não só dos palcos, mas também
das telas norte-americanas e mundiais. Narrado na primeira pessoa, o
texto não é dos mais elegantes, abusando de coloquialismos, frases de
efeito e pontos de exclamação (tudo que tentei evitar, por exemplo, ao
escrever meu livro sobre Helvécio Ratton, que por questões contratuais
também tinha que ser narrado na primeira pessoa embora eu tenha sido o
autor de cada uma das sentenças ali presentes). Ainda assim, embora
peque como literatura, "Dean & Me" funciona graças ao imenso carinho
que Lewis manifesta por seu velho parceiro e que pode vir como uma
surpresa para quem conhece a trajetória turbulenta da dupla.
 
Aliás, aqui e ali, o excesso de generosidade de
Lewis chega a soar, é importante apontar, como algo artificial – como se
o comediante tentasse provar sua própria grandeza justamente ao se
mostrar magnânimo -, mas ainda assim, o que salva a narrativa é o
carinho sempre sincero manifestado por ele.
 
Concentrando-se principalmente nos dez anos em que
Lewis e Martin trabalharam juntos, mudando a face do showbusiness
em Hollywood no pós-Guerra, o livro faz um belíssimo trabalho ao
recontar o primeiro encontro dos dois, em uma rua de Nova York, e o
surgimento gradual de uma espécie de amizade sempre pontuada pelo fato
de Lewis encarar o outro com uma admiração similar à reservada a um
irmão mais velho. A partir daí, acompanhamos as brincadeiras que
passaram a pregar um no outro sempre que se apresentavam no mesmo local
(Martin cantando e Lewis dublando discos velhos enquanto fazia
caretas) e finalmente chegamos ao momento definitivo em que Jerry, ao se
apresentar em Atlantic City, sugere que o mafioso dono da casa de shows
contrate Martin para substituir um outro cantor, deixando escapar que
ambos costumavam se divertir bastante no passado – sem perceber que o
sujeito interpretara essa fala como uma promessa de que eles iriam se
apresentar juntos num número que envolveria comédia e música.
 
Nascia a dupla Martin & Lewis.
 
Ao longo das 300 páginas seguintes, Lewis e Kaplan
narram a ascensão meteórica da dupla, a transição para Hollywood e o
gradual ressentimento que ambos passam a nutrir um pelo outro: Martin,
por ser sempre ignorado pela crítica, que o encarava (injustamente) como um "escada"
desinteressante para as maluquices do parceiro; e Lewis, por se deixar
levar pelo próprio ego e por perceber que Martin tinha outros interesses
além da dupla. Ainda assim, embora o comediante relate algumas
passagens desabonadoras sobre o velho parceiro (como as duas ocasiões em
que deixou de comparecer a compromissos assumidos), ele acaba dirigindo
as críticas mais pesadas a si mesmo.
 
Com um terceiro ato melancólico e mais breve que
narra os anos finais da carreira de Martin e sua solidão auto-imposta
após a morte do filho em um acidente de avião, "Dean & Me" é uma
carta de amor tocante e memorável, o que compensa também o fato de pouco
revelar sobre muitos pontos importantes da vida de seu co-autor, como 
seu primeiro ataque cardíaco durante as filmagens de Cinderelo Sem
Sapato
ou a criação de seu telethon anual para arrecadar dinheiro
para a pesquisa da cura da Distrofia Muscular.
 
E nestes tempos de YouTube, é um bônus ler sobre
seu esperado (e para ele surpreendente) reencontro com Dean Martin em 1976 e
poder ver a cena com facilidade na Internet – quando podemos até mesmo observar claramente o olhar de admiração e insegurança que lança para o velho parceiro num reflexo claro do que sempre sentiu por este.
 
Um belo livro que, infelizmente, não foi lançado no
Brasil, mas que pode ser facilmente comprado em qualquer loja virtual.
 
Dean & Me (A Love Story), de Jerry Lewis e
James Kaplan
Broadway Books, 2005
341 páginas

postado em by Pablo Villaça em Livros