Curso – 17a. Edição – Balanço

Ministro o curso de Teoria, Linguagem e Crítica há cerca de cinco anos. Neste período, foram 17 edições – e somente de janeiro de 2009 para cá, tive nada menos do que 353 alunos. Ainda assim, até hoje, ninguém nunca havia dito no formulário de avaliação do curso (que é preenchido anonimamente) que me achara antipático.

Até Fortaleza.

Sim, pela primeira vez em todos esses anos e alunos, fui considerado "antipático" por um dos integrantes da turma. Por outro lado, ele (ou ela) me deu nota 4 em 5 no quesito didática e, portanto, o estrago não pode ter sido tão grande assim. De todo modo, fiquei surpreso, mas… bom, é impossível agradar todo mundo.

Vamos então ao balanço e à explicação
habitual: como sempre, entreguei um
formulário ao
final do curso para que os alunos comentassem e atribuíssem "pontos" à
experiência, sendo que as edições anteriores obtiveram as seguintes
avaliações: 4,40 (Décima sexta), 4,62 (Décima
quinta
), 4,57 (Décima
quarta
), 4,47 (Décima
terceira
), 4,57 (Décima
segunda
), 4,76 (Décima
primeira
), 4,22 (Décima),
4,33
(Nona), 4,45 (Oitava),
4,07
(Sétima),
4,44
(Sexta)
e 4,27 (Quinta). Estas avaliações incluem os seguintes
itens, que são graduados com notas que vão de 1 a 5:
Infra-estrutura (instalações, recursos
audiovisuais, atendimento); Conteúdo; Didática (clareza de
exposição, domínio dos conteúdos); Estrutura do Curso (ordem dos
conteúdos, divisão do tempo disponível).

Desta vez, as médias das notas foram:
 
Infra-estrutura: 3,52

Conteúdo
: 4,33

Didática
: 4,63

Estrutura do curso
: 4,33

Média geral: 4,20. 

Curioso: se as duas edições no Sul do país renderam minhas melhores notas (Curitiba, 4,76; Porto Alegre, 4,62), as que ocorreram no Nordeste renderam minhas duas piores (Salvador, 4,07; Fortaleza, 4,20). Não sei explicar o motivo, mas não deixa de ser interessante. 

E agora, vamos à foto tradicional de formatura, que, infelizmente, não contou com a participação de 12 dos 39 alunos da turma: 

postado em by Pablo Villaça em Curso